Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Gaúcha do Norte,27 de Junho de 2022 - Segunda Feira

Ex-prefeitos são acionados por improbidade administrativa em Mato Grosso

Tião da Zaeli e Maninho de Barros extrapolaram gastos com pessoal

POLÍTICA | 29/10/2015 - 06:49:04


Os ex-prefeitos de Várzea Grande, Sebastião dos Reis Gonçalves, o Tião da Zaeli (PSD), e Antônio Gonçalo Pedroso Maninho de Barros (PSD), foram acionados pelo Ministério Público Estadual (MPE) por prática de ato de improbidade administrativa no ano de 2012, quando ambos responderam pela administração do município. O G1 não conseguiu localizar os dois ex-prefeitos para comentarem o processo.

Segundo consta na ação proposta pelo promotor Deosdete Cruz Junior, da 1ª Promotoria de Justiça Cível de Várzea Grande, os ex-gestores descumpriram os limites constitucionais e legais previstos para os setores de educação e pessoal. Enquanto o mínimo previsto a ser investido em educação não foi atingido, o teto do gasto permitido com pessoal foi extrapolado pelos ex-prefeitos.

A ação proposta pelo MPE foi embasada no parecer do Tribunal de Contas do Estado e do Ministério Público de Contas (MPC). Conforme relatório elaborado pelo MPC, Tião da Zaeli e Maninho de Barros são responsáveis pela não destinação correta dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

O relatório aponta que, de um total arrecadado de R$ 51,7 milhões, apenas 27,77% (R$ 14,3 milhões) foram destinados para a remuneração e valorização dos profissionais do magistério da educação básica pública, quando o percentual mínimo a ser cumprido é de 60%.

“O desconhecimento sobre a desconformidade é inadmissível, sendo perfeitamente possível ao gestor pela simples análise do relatório resumido da execução orçamentária aferir a desconformidade e adotar medidas de correção imediatas, o que não fizeram, reforçando nossa conclusão de ser dolosa a conduta dos requeridos”, afirmou o promotor, em trecho da ação.

O levantamento também aponta que os dois ex-gestores gastaram R$ 173,2 milhões (55,69% da receita) com gastos com pessoal, quando a Lei de Responsabilidade Fiscal prevê que o limite máximo permitido é de 54%. Além disso, R$ 31,7 milhões – que corresponde a 19,27% da receita base de R$ 164,6 milhões – foi aplicado na manutenção e desenvolvimento do ensino, quando o percentual mínimo a ser investido é de 25% da receita de impostos.

De acordo com o promotor, as investigações tiveram início em julho desse ano, após o Ministério Público Federal (MPF) noticiar e encaminhar as ilegalidades. O órgão federal apura o mesmo fato no âmbito criminal.

 


Fonte: G1 MT

Política - 24/06/2022

Adolescente usa ferro em brasa para marcar 22 de Bolsonaro na pele

Caso ocorreu em Mirassol D’ Oeste (300 km a Oeste de Cuiabá)

Querência - 22/03/2022

Vereador que sacou a arma para outro em Querência é policial aposentado; ele pode ser cassado por quebra de decoro

O policial aposentado foi impedido de atirar por um policial militar que estava na casa de leis acompanhando a sessão

JUSTIÇA - 03/03/2022

Lewandowski suspende última ação penal contra Lula

Lula se tornou réu no ano de 2016

JUSTIÇA - 19/10/2021

TJ afasta Emanuel Pinheiro da Prefeitura; chefe de gabinete é preso

A Prefeitura será assumida pelo vice-prefeito, José Roberto Stopa (PV)

Ver todos

SELECT * FROM mega_noticias WHERE status > '1' and publicacao <= '2022-06-27 02:20:04' and cat='25' and cod_mega!='1853' ORDER BY publicacao DESC limit 4


Quer receber as notícias do Gaúcha News no seu e-mail? Cadastre-se!