Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Gaúcha do Norte,27 de Maio de 2022 - Sexta Feira

Novo exame de sangue pode personalizar tratamento de depressão

Cientistas criaram forma de prever reação a antidepressivos comuns

SAÚDE | 08/06/2016 - 06:00:59


Cientistas desenvolveram um exame de sangue que pode prever se pessoas com depressão irão reagir ou não a antidepressivos comuns, uma descoberta que pode dar início a uma nova era de tratamentos personalizados.

Os pesquisadores disseram que, orientados por este exame, no futuro os médicos deverão ser capazes de encaminhar pacientes depressivos para tratamentos precoces com uso mais adequado de antidepressivos, possivelmente incluindo duas medicações, antes que eles piorem.

"Este estudo nos deixa um passo mais próximos de proporcionar um tratamento de depressão personalizado aos primeiros sinais de depressão", afirmou Annamaria Cattaneo, que liderou o trabalho do Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociência do King's College de Londres (IoPPN, na sigla em inglês).

A depressão é uma das formas mais comuns de doença mental e afeta mais de 350 milhões de pessoas em todo o mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) a listou com a causa principal de invalidez no planeta.

O tratamento normalmente envolve medicação ou alguma forma de psicoterapia, ou ainda uma combinação de ambos. Mas cerca de metade de todas as pessoas tratadas por depressão não melhora com antidepressivos de uso inicial, e aproximadamente um terço dos pacientes tem resistência a todos os medicamentos concebidos para ajudá-los.

Até agora, os médicos não foram capazes de estabelecer se alguém vai reagir bem ou não a um antidepressivo, ou se o paciente pode precisar de um plano de tratamento mais agressivo desde o início.

Como resultado, muitas vezes os pacientes são tratados na base da tentativa e erro, experimentando uma droga após outra durante meses a fio e com frequência sem testemunhar uma melhoria em seus sintomas.

No estudo, divulgado nesta terça-feira (7) na publicação científica "International Journal of Neuropsychopharmacology", a equipe de Cattaneo se concentrou em dois marcadores biológicos que medem a inflamação sanguínea.

Estudos anteriores já haviam ligado níveis altos de inflamação a uma reação ruim a antidepressivos. Os pesquisadores mensuraram os dois marcadores, chamados de Fator de Inibição da Migração de Macrófagos (MIF) e interleucina (IL)-1β, em dois grupos de pacientes depressivos antes ou depois de eles tomarem uma variedade de antidepressivos comuns.


Fonte: Bem Estar

Orkut - 29/04/2022

Orkut de volta? Fundador reativa site e diz que está construindo algo novo: ‘Vejo vocês em breve’

Rede social fez grande sucesso nos anos 2000

EDUCAÇÃO - 25/04/2022

Professora que atuou em Água Boa e Canarana representa MT em evento de ciências nos Estados Unidos

Eliete Both estudou boa parte da infância na zona rural na rede pública e vem conquistando espaço na academia como professora

INTERNACIONAL - 24/02/2022

Rússia começa guerra na Ucrânia; Biden diz que serão aplicadas “maiores sanções da história”

Biden diz que Rússia não poderá negociar em dólar, euro, iene ou libra

INTERNACIONAL - 24/02/2022

Rússia avança com ataques na Ucrânia; líderes mundiais prometem reação

Biden, União Europeia e países aliados prometem mais sanções.

Ver todos

SELECT * FROM mega_noticias WHERE status > '1' and publicacao <= '2022-05-27 10:34:41' and cat='59' and cod_mega!='2656' ORDER BY publicacao DESC limit 4


Quer receber as notícias do Gaúcha News no seu e-mail? Cadastre-se!