Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Gaúcha do Norte,19 de Outubro de 2021 - Terça Feira

Petrobras e Vale voltam a cair após baterem mínima em mais de 10 anos

Tensão na China e queda do petróleo contagiam papéis das empresas

ECONOMIA | 07/01/2016 - 15:08:44


turbulência nos mercados da Ásia e a queda no preço de commodities como o petróleo contagiam as ações de duas das principais empresas da bolsa nesta quinta-feira (7). Petrobras e Vale voltam a cair, após terem recuado ao menor valor em mais de uma década, informou ao G1 a provedora de informações financeiras Economática.

Com forte peso no Ibovespa, a mineradora e a petroleira ajudaram a arrastar para baixo o principal índice de ações brasileiro. Na véspera, a bolsa caiu ao seu menor patamar desde março de 2009, aos 41.773 pontos.

Nesta quinta-feira, o Ibovespa opera em nova queda, afetado  por uma segunda suspensão nos negócios das bolsas chinesas nesta semana, após um tombo de mais de 7%. 

Em dólares, o Ibovespa terminou a quarta-feira no patamar mais baixo desde 26 de julho de 2005, aos 10.365 pontos, de acordo com a Economática.

A pontuação em dólares é usada como referência para os investidores estrangeiros, dividindo-se os pontos do índice em reais pela cotação do dólar ptax (taxa calculada pelo Banco Central).

O economista Einar Rivero, responsável pelo estudo da Economática, explica que a forte alta do dólar frente ao real – a moeda norte-americana subiu quase 49% em 2015 – torna a desvalorização do Ibovespa mais aguda para os investidores estrangeiros.

Queda do petróleo afeta a Petrobras
No dia em que os preços do petróleo caíram ao menor valor em 11 anos, as ações preferenciais (com prioridade na distribuição de dividendos) da Petrobras perderam mais de 4% e fecharam a R$ 6,40 – o menor valor desde agosto de 2004, segundo a Economática. As ações ordinárias também recuaram mais de 4%, a R$ 8,06.

Nesta quinta-feira (7), as perdas da estatal se repetem. Por volta das 16h, Petrobras operava em queda nas preferenciais e ordinárias (com direito a voto), na esteira do forte declínio dos preços do petróleo, que fecharam abaixo de US$ 35 na véspera. Mais cedo, as ações recuavam cerca de 4%.

Um forte e inesperado aumento nos estoques de gasolina dos Estados Unidos reforçou o cenário negativo de excesso de oferta no mercado. Além disso, o anúncio de um teste de bomba de hidrogênio pela Coreia do Norte, aliadas a crescentes preocupações sobre a desaceleração da economia da China, impactaram o mercado.

Em dezembro do ano passado, a Opep não chegou a um acordo para reduzir a produção de petróleo, aumentando as preocupações diante do excesso de oferta. Fiel à posição adotada um ano antes, o cartel não somente decidiu manter seus atuais níveis de produção, como também não fixou uma meta precisa de produção.

Com a queda do Petróleo, a Petrobras sofre com a redução nas receitas de exploração e produção, agravando ainda mais a situação econômica da companhia, que enfrenta alto endividamento.

A queda do preço do petróleo no mercado internacional também diminui a rentabilidade dos projetos de exploração no pré-sal, que foram planejados levando em conta um preço mínimo do barril ao redor de US$ 45 para a produção poder ser considerada economicamente viável.

A notícia de que a Procuradoria-Geral da República (PGR) apontou indícios de que o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, participou de suposto esquema ilícito de compra de debêntures da OAS, segundo o "Estado de S. Paulo", também repercutia nas ações hoje.

Desaceleração da China contagia Vale
Na véspera, as ações preferenciais da Vale recuaram mais de 7% e fecharam a R$ 9,10, no menor valor desde junho de 2005, de acordo com a Economática. A preocupação com um crescimento menor da China tem afetado diretamente os papéis da empresa.

Ao crescer menos, a China passa a importar menos minério de ferro do Brasil e de outros países, já que precisa de menos insumos para a produção industrial. A commodity é o principal produto de exportação da Vale e o mercado chinês, seu maior comprador. A queda na demanda pelo minério de ferro no mundo faz seus preços caíram, afetando as ações da mineradora.

Por volta de 16h desta quinta, os papéis da empresa seguiam com perdas em torno de 4%, depois que as negociações nas bolsas chinesas foram suspensas pela segunda vez na semana, ao caírem mais de 7%.

Analistas do UBS cortaram o preço-alvo do ADR (recibo de ação negociado nos EUA) da mineradora de US$ 5,30 para US$ 3,40, mantendo recomendação "neutra", e citaram que nos atuais preços de commodities, o Ebitda da Vale estimado para 2016 pode não cobrir os compromissos de caixa de US$ 4 bilhões. A estimativa do Ebitda dá uma ideia do fluxo de caixa da companhia.

Descrição: bovespa VALE (Foto: G1)

 


Fonte: G1

ECONOMIA - 10/04/2020

Dólar cai durante o 4º dia seguido e fecha a quinta-feira a R$ 5,09

Recuo de 1,02% levou a moeda norte-americana a registrar a maior queda semanal em mais de um ano

ECONOMIA - 20/02/2020

Caixa anuncia financiamento imobiliário com juros fixos

Condições são válidas para imóveis residenciais novos e usados

ECONOMIA - 05/02/2020

Petrobras volta a reduzir preço da gasolina e do diesel nas refinarias

Neste ano, já é quarta vez que a estatal reduz o preço dos combustíveis

ECONOMIA - 09/01/2020

Governo quer Receita Federal em vistoria no Bolsa Família

Projeto a ser encaminhado ao Congresso propõe cruzamento de dados com declarações de IR

Ver todos

SELECT * FROM mega_noticias WHERE status > '1' and publicacao <= '2021-10-19 01:34:09' and cat='22' and cod_mega!='2075' ORDER BY publicacao DESC limit 4


Quer receber as notícias do Gaúcha News no seu e-mail? Cadastre-se!