Gaúcha do Norte,13 de Dezembro de 2018 - Quinta Feira

Polícia de MT cumpre 51 mandados de prisão por roubo e furto de carros a mando de presidiários

Criminosos agiam a mando de quatro líderes da quadrilha que estão presos

17/08/2017 - 20:56:38


Presos integram quadrilha de roubo e furto de carros (Foto: Reprodução/ TVCA)

A polícia cumpriu 51 mandados de prisão nesta quinta-feira (17), durante uma operação deflagrada em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará e Rondônia, contra roubo e furto de veículos. Conforme a Polícia Civil de Mato Grosso, que realizou a operação, os crimes eram cometidos a mando de quatro líderes da quadrilha, que estão presos. Foram 45 prisões que já tinham sido determinadas pela polícia e outras seis em flagrante.

Os roubos e furtos eram encomendados pelos líderes aos outros integrantes da organização criminosa que estavam soltos. Eles atuavam como "soldados do crime", executando os roubos conforme a necessidade (modelo e cor) da organização, de acordo com a polícia.

Para encontrar o veículo com as características solicitadas pelos chefes da quadrilha, em grupos de três a quatro pessoas, os criminosos faziam rondas. Quando encontravam a vítima desatenta, embarcando ou desembarcando do veículo, esses ladrões entravam em contato com os líderes da quadrilha e mencionavam as características do carro. Se houvesse interesse pelo veículo, eles executavam o roubo ou furto.

Além dos mandados de prisão, a polícia cumpriu 12 mandados de condução coercitiva e 62 de busca e apreensão. Para o cumprimento dos mandados, a operação contou com a participação de 200 policiais.

A estimativa é que o esquema seja responsável por 409 roubos ou furtos dos 682 ocorridos durante os três meses das apurações.

Segundo a Polícia Civil, a operação é fruto de três meses de investigações que levaram a descoberta de uma rede criminosa liderada por membros de uma facção, que agem de dentro de presídios de Mato Grosso, e mantêm alianças com facções em Rondônia, Santa Catarina, Rio Grande do Norte e Amazonas.

Ao logo da apuração, os policiais acompanharam em redes sociais a ação controlada de 35 eventos criminosos envolvendo roubos de veículos, receptação e manobras financeiras de aberturas de contas para depósitos, transferências e saques de valores em bancos, além de ocultação e o comércio de veículos subtraídos e clonados.

As prisões preventivas foram cumpridas em Barra do Garças (1), Jaciara (1), Nova Olímpia (1), Cuiabá (33), Várzea Grande (2), Chapada dos Guimarães (2), 5 em Campo Grande (MS) e 6 em Rondônia. As conduções coercitivas são cumpridas em Nova Olímpia (2), Sinop (1), Cuiabá (6), Várzea Grande (1), Rondonópolis (1) e no Pará (1).

Segundo a polícia, duas características faziam do roubo uma ‘ótima opção’ e a mais realizada. A primeira, pela facilidade de tomar as chaves originais (possibilitando a ação de um criminoso sem conhecimentos específicos de mecânica/elétrica – ligação direta e outros necessários para o furto) e documentos do veículo e bens das vítimas.

Na segunda característica, o perfil das vítimas, que por estarem distraídas ou em momento de descontração, possibilitava a aproximação dos criminosos e uma abordagem armada sem maiores problemas.

A investigação estima que o grupo criminoso tenha sido responsável por 60% dos roubos e furtos de veículos automotores ocorridos nos três meses da apuração. No período da investigação foram contabilizados 682 roubos e furtos de veículos (410 roubados e 272 furtados), sendo atribuído a organização 409 veículos roubados ou furtados na região metropolitana.

O ganho na revenda ou troca dos veículos de origem criminosa rende, em média, R$ 3 mil para os envolvidos. Caso não tivesse ocorrido a recuperação de 90% dos veículos subtraídos em Cuiabá e Várzea Grande, em ação das forças policiais, a estimativa de lucro seria de R$ 1,2 milhão no curto tempo da investigação.

Nome – “Ares” remete ao deus grego das guerras, da guerra selvagem com sede de sangue, daí o complemento “vermelho”, devido a cor.

Os mandados de prisão, busca e condução foram expedidos pela 7ª Vara Criminal da Capital - Vara Especializada do Crime Organizado, na investigação comandada pela Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos Automotores (DERRFVA), em parceria com a Diretoria de Inteligência da Polícia Civil.

 


Fonte: G1


Quer receber as notícias do Gaúcha News no seu e-mail? Cadastre-se!