Gaúcha do Norte,19 de Outubro de 2018 - Sexta Feira

Após mais de um mês, bebê indígena enterrada viva deixa UTI e já pode receber alta

Ministério Público deve se posicionar nas próximas horas a respeito de onde recém-nascida deve ficar.

10/07/2018 - 05:20:09


A recém-nascida indígena que foi enterrada viva pela avó e bisavó, em Canarana (838 km de Cuiabá), teve melhora em seu quadro e já deixou a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa de Misericórdia da Capital. Segundo a assessoria de imprensa da unidade médica, ela já está em condição de receber alta hospitalar.

No entanto, a direção do hospital aguarda um posicionamento do Ministério Público Estadual (MPE) sobre para onde a menina deve ser direcionada.

Isso porque a bebê foi enterrada viva pela avó e bisavó no quintal de casa, o que inviabilizaria seu retorno para o lar.

A mãe, uma indígena de 15 anos, teria dado à luz no dia 5 de junho. No mesmo dia ela foi internada e no seguinte transferida para a Capital.

Agora a recém-nascida está sob tutela do Estado. O MPE atua no caso por meio da Promotoria da Infância.

Quadro médico

A menina apresentou melhora nos últimos dias. Antes, porém chegou a correr risco de morrer, após ter ficado por cerca de 7 horas soterrada.

Ela ainda apresentou infecção generalizada, distúrbio de coagulação e uma hemorragia digestiva - que exigiu transfusão de sangue.

"Costume da etnia"

No local, a bisavó confirmou o ato, dizendo que a criança teria nascido morta por ser prematura. Ela alegou que não comunicou a ninguém por ser este um "costume da etnia".

Uma enfermeira da Casai (Casa de Saúde do Índio), ao assumir o expediente, soube do caso e avisou a polícia e o chefe da unidade. 

O local foi isolado pela equipe policial para o trabalho da perícia técnica. Mas, ao escavarem, os policiais ouviram o choro do bebê.

No decorrer das investigações da Polícia Civil, foram colhidos depoimentos que apontaram que a família não aceitava a gravidez pelo fato de a adolescente ser mãe solteira.

A bisavó da criança está presa, e responde a um processo por ter articulado todo o processo para tentar matar a criança.


Fonte: Mídia News


Quer receber as notícias do Gaúcha News no seu e-mail? Cadastre-se!