Gaúcha do Norte,11 de Agosto de 2020 - Terça Feira

Clube mato-grossense contrata goleiro Bruno e revolta a sociedade

Bruno não pode ser tratado como ídolo, depois de ter cometido um crime brutal, em que ele não demonstra arrependimento.

21/01/2020 - 05:36:48


Bruno foi condenado pelo assassinato da mãe de seu filho, Eliza Samúdio.

O clube Operário de Várzea Grande (MT) vem chamando a atenção do meio futebolístico nas últimas semanas, tudo se deve a polêmica contratação do goleiro Bruno Fernandes.

Bruno foi preso em 2010 no auge de sua carreira e condenado posteriormente pelo sequestro, assassinato e ocultação de cadáver de Eliza Samudio, mãe de seu filho.

Atualmente Bruno está em regime semi-aberto.

Enquanto isso, onde estão os restos mortais de Eliza Samudio?

Uma grande injustiça enraizada na sociedade, enquanto uma família chora e um filho cresce sem a mãe, o assassino curte os resquícios de uma fama manchada.

Revolta

Conhecido como “Chicote da Fronteira”, o Operário tem sofrido com a pressão dos torcedores e da população da região metropolitana que são contrários à vinda de Bruno. Imagens circulam nas redes sociais, em que aparece o clube com a estampa de “Vergonha da Fronteira”, fazendo trocadilho com o apelido do time.

Um dos argumentos contrários à contratação é o de que Bruno não pode ser tratado como ídolo, depois de ter cometido um crime brutal, em que ele não demonstra arrependimento, visto, que até hoje não informou onde enterrou o cadáver da sua ex-companheira Elisa Samudio.

Ele foi preso em 2010 e condenado em 2013 por homicídio triplamente qualificado. Em menos de dois anos foi transferido para o regime semiaberto.


Fonte: Jornal da Cidade


Quer receber as notícias do Gaúcha News no seu e-mail? Cadastre-se!